editora Escala
Visão Jurídica
 
Buscar  
ok
Indique
Anuncie
         
Canais
 
Newsletter
 

Receba periodicamente nossas novidades e matérias.

 
   
 
ok
 
 
Serviços
 
 
 
Por que ver

Amistad


Filme, que se passa em 1839, nos Estados Unidos, aborda julgamento de escravos por crime cometido em navio negreiro, discute competência jurisdicional e direitos humanos.


Igor Thiago Batista Cupertino

O Direito Romano trouxe importantes contribuições para o ordenamento jurídico brasileiro atual. O estudo das leis romanas é considerado indispensável à correta compreensão dos sistemas jurídicos de hoje. Para os romanos, o Direito deveria ser a arte do bom e do justo. Ao mesmo tempo a sociedade romana era escravagista, sendo que para eles escravos eram considerados "coisas" ou "res".

Em meados do século XIX, a situação dos escravos africanos nos Estados Unidos não era tão diferente daquela vivida à época dos romanos. Em Amistad, a realidade da escravidão toma proporções a partir das lentes de Steven Spielberg. O filme retrata a luta de parte deste grupo em território norte-americano.

Na narrativa cinematográfica, o filme se passa em 1839. Dezenas de escravos negros se libertam dos grilhões e assumem o comando do navio negreiro La Amistad. Com o objetivo de voltar à África, mas sem conhecer as técnicas de navegação, acabam confiando em dois tripulantes brancos. Após alguns meses, eles são capturados por um navio americano e chegam até a costa de Connecticut.

Em um primeiro momento, os negros são julgados pelo assassinato da tripulação. O caso gera polêmica e o presidente americano Martin Van Buren (Nigel Hawthorn), que aspira à reeleição, tenta a condenação dos escravos, pois agradaria aos estados do sul e também fortaleceria os laços com a Espanha. Porém, outras questões estavam envolvidas.

Competência

A primeira discussão gerada pela película é justamente de quem era a competência de julgar o crime: Espanha ou Estados Unidos? Trazendo para a realidade brasileira atual, se um estrangeiro mata outro estrangeiro no Brasil, o acusado deve responder pela lei brasileira porque o crime aconteceu no Brasil, independentemente da nacionalidade.

Mas qual lei se aplicaria se o assassinato ocorresse em altomar, como visto em Amistad? O ordenamento brasileiro soluciona o problema aplicando a lei da bandeira do país da embarcação. Logo, se um assassinato ocorre em um navio brasileiro, o estrangeiro deve ser processado pelo crime de acordo com as leis brasileiras.

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>
 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 102 - 2014
Aniversário do Código de Defesa do Consumidor

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 102 - 2014
Momento difícil

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 102 - 2014
Hora do descanso descanso


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 59 - 2011
Sistema carcerário brasileiro


Visão Jurídica :: Jus Ultra :: Edição 51 - 2010
NORMAS DA UNIÃO ESTÁVEL


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 40 - 2009
Prisão civil pelo não-pagamento de pensão alimentícia


Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 61 - 2011
Separação total de bens



 
Edições Anteriores
 
tags
 
capa chave cobranca codigo comércio consumidor contrato verbal dano debate débitos defesa descanso em foco empresa Investidores juridico lei nosso mundo Olhar jurídico Visão do cliente
 

         
Faça já a sua assinatura!


Visão Jurídica
O Direito de forma ampla e atual.

Assine!Outras ofertas!


Gestão & Negócios
Para vencer na vida pessoal e profissional.


Assine!
Outras ofertas!

Leituras da Histria

Fatos e personalidades que deixaram suas marcas.

Assine!
Outras ofertas!

Raça Brasil
Diversidade é o Brasil de verdade.


Assine!
Outras ofertas!
 
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS