editora Escala
Visão Jurídica
 
Buscar  
ok
Indique
Anuncie
         
Canais
 
Newsletter
 

Receba periodicamente nossas novidades e matérias.

 
   
 
ok
 
 
Serviços
 
 
 
Capa

Direito à pensão do cônjuge culpado pela separação


Marcelo Santoro Almeida*

Imagine a seguinte situação: uma mulher trai o marido com o vizinho. A traição é comprovada. Será o marido obrigado a pagar pensão alimentícia para esta mulher? Ou ainda: a esposa que é agredida fisicamente pelo marido deverá pagar pensão a ele?

Desde que foi promulgada a Lei do Divórcio, em dezembro de 1977, diversos casais têm transformado o Poder Judiciário em um verdadeiro campo de batalha. A descoberta de quem competia a culpa pelo fim dos laços conjugais era fundamental em virtude das sanções sofridas.

E quais eram as sanções? Naquela época, o cônjuge culpado pela quebra dos laços conjugais perdia o direito de pleitear pensão alimentícia, de deter a guarda dos filhos em comum e de manter o nome do outro.

Todas as punições eram exclusivamente para a mulher que, na década de 1970, raramente trabalhava, necessitando ser pensionada. O homem que, de modo geral, não desejava a guarda dos filhos, trabalhava e não possuía o nome da mulher e também não sofria nenhuma punição, mesmo se fosse o culpado.

Sendo assim, era importante que o marido conseguisse provar a culpa da mulher pela separação do casal, uma vez que ela perderia o direito à pensão alimentícia. E, durante anos, foi defendida a desnecessidade de casais exporem suas feridas perante o Poder Judiciário, já que a discussão da culpa estava obsoleta.

Hoje são raras as mulheres que acrescem o nome do marido e, em geral, é a primeira coisa que retiram nas separações. Com relação aos filhos, desde a Constituição Federal de 1988 e o Estatuto da Criança de do Adolescente, a guarda visa a proteger os interesses dos filhos do casal recém-separado, não sendo mais a culpa pela separação fator determinante a essa perda. E com relação à pensão, grande parte das mulheres casadas trabalha, não necessitando receber auxílio dos maridos.

Restou, então, a discussão da culpa apenas nos casos das esposas que não trabalham e que precisam ser pensionadas. Caso fossem declaradas culpadas pela separação (seja pela violação de um dos deveres do casamento, como coabitação, fidelidade, mútua assistência, sustento e guarda da prole; seja pela prática de injúria grave), não poderiam mais ser pensionadas. Uma questão puramente moral abraçada pelo legislador.

Com o advento do novo Código Civil, tornou-se desnecessária a discussão de culpa pela separação do casal. Fato que tem motivado advogados a buscarem um acordo, já que, em tese, não será trazido nenhum benefício ao cliente, mas sim anos de processos judiciais.

Mas que "evolução" foi essa trazida pelo novo Código Civil? A possibilidade de ser requerida a separação sem alegação de culpa? A possibilidade de ser declarada a separação, mesmo que haja menos de um ano de separação de fato? Por óbvio que não. Foi, simplesmente, a modificação da punição do cônjuge culpado.

A manutenção do nome do marido já não mais interessa às mulheres. A guarda dos filhos é garantida ao cônjuge com melhores condições para conceder o crescimento sadio das crianças, não havendo mais relação com culpa. Resta, então, modificação na pensão alimentícia.

Existem dois tipos de pensão alimentícia: os alimentos côngruos e os necessários. No primeiro importa todos os gastos da pessoa para manter um padrão de vida compatível com o que já estava acostumada. Já no segundo importa apenas na subsistência da pessoa. Ambos englobam despesas com comida, saúde, moradia, mas só no primeiro se inclui o lazer, as viagens, as despesas extras etc.

Pelo novo Código Civil, uma pessoa que seja declarada culpada pela separação não perde mais o direito a receber pensão, mas a limita aos alimentos necessários. Por um lado o legislador procurou proteger as pessoas, evitando que elas passassem por necessidades, mas por outro puniu o cônjuge inocente que sustentará o seu consorte, mesmo sendo ele culpado pela separação.

Com a falência do casamento, são derrubados os sonhos e juntamente as expectativas das pessoas de manterem uma família sólida e de terem um companheiro até o final de suas vidas. Esse é o sonho de dez entre dez recém-casados.

Será que é justo o cônjuge inocente, que teve a confiança no outro quebrada, que viu um sonho jogado fora, que passa por graves prejuízos morais, ter que sustentar o outro? É justo imaginar que uma esposa com salário maior do que o marido (fato cada vez mais comum) tenha que sustentá-lo após ser por ele agredida? Ou que um marido tenha que sustentar a esposa, mesmo após ter sido comprovado que ela o traía?

Por outro lado, é preciso averiguar a questão humana, levar em consideração que, sem a pensão, a pessoa não consiga sobreviver, mesmo culpada pela separação. Eis que o tema está lançado e que, certamente, trará enormes discussões, cuja questão apenas será sanada por meio das decisões que serão proferidas pelos Tribunais de Justiça do País.

* Graduado em Direito pelas Faculdades Integradas Candido Mendes, com especialização em Magistério Superior em Direito pela Universidade Estácio de Sá. Professor de Direito da Faculdade Moraes Junior - Mackenzie Rio e do Centro Universitário da Cidade, no Rio de Janeiro/RJ.

 

 

Visão Jurídica :: Capa :: Edição 102 - 2014
Planos econômicos

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 102 - 2014
Aniversário do Código de Defesa do Consumidor

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 102 - 2014
Momento difícil


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 59 - 2011
Sistema carcerário brasileiro


Visão Jurídica :: Jus Ultra :: Edição 51 - 2010
NORMAS DA UNIÃO ESTÁVEL


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 40 - 2009
Prisão civil pelo não-pagamento de pensão alimentícia


Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 61 - 2011
Separação total de bens



 
Edições Anteriores
 
tags
 
capa chave cobranca codigo comércio consumidor contrato verbal dano debate débitos defesa descanso em foco empresa Investidores juridico lei nosso mundo Olhar jurídico Visão do cliente
 

         
Faça já a sua assinatura!


Visão Jurídica
O Direito de forma ampla e atual.

Assine!Outras ofertas!


Gestão & Negócios
Para vencer na vida pessoal e profissional.


Assine!
Outras ofertas!

Leituras da Histria

Fatos e personalidades que deixaram suas marcas.

Assine!
Outras ofertas!

Raça Brasil
Diversidade é o Brasil de verdade.


Assine!
Outras ofertas!
 
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS