editora Escala
Visão Jurídica
 
Buscar  
ok
Indique
Anuncie
         
Canais
 
Newsletter
 

Receba periodicamente nossas novidades e matérias.

 
   
 
ok
 
 
Serviços
 
 
 
Reportagens
Especial Arbitragem

Vantagens e desvantagens


É fundamental analisar todos os seus aspectos na hora de escolher a forma de resolução de conflitos


Texto: Oscar Valente

Em síntese, há uma ampla liberdade conferida às partes na arbitragem, que vai desde a escolha da lei aplicável, passa pela escolha de quem irá decidir a questão, e até mesmo o procedimento a ser observado.

Por outro lado, entre as desvantagens costumam ser listadas as seguintes:

a possibilidade de influência da parte economicamente mais forte sobre as normas aplicáveis e a instituição arbitral escolhida, afastando a intervenção judicial, em prejuízo da outra parte;

os custos, que podem ser superiores, especialmente em se tratando de instituições arbitrais, se comparados aos gastos nos juizados especiais, ou se a pessoa for beneficiada pela justiça gratuita;

a necessidade de as partes analisarem previamente questões jurídicas que influenciarão a decisão final, como a lei aplicável e o procedimento arbitral;

a possibilidade de que o árbitro não seja imparcial, por ter sido escolhido pela parte;

o risco de falha no procedimento ou na sentença arbitral, com posterior anulação pelo Judiciário;

a necessidade de execução judicial da sentença, caso a parte vencida não queira cumprir a decisão do árbitro;

por fim, mais como um risco do que uma desvantagem, há quem alerte para o fato de que a arbitragem pode importar na privatização da justiça, favorecendo somente aqueles que podem pagar por ela.

Portanto, o Poder Público (por meio do Judiciário) não precisa intervir em todo e qualquer conflito, para compulsoriamente resolver desentendimentos entre particulares. Ainda que não cheguem a um consenso sobre o assunto discutido, podem as partes concordar em nomear um terceiro, isento e imparcial, para resolver a questão por elas.

A garantia da jurisdição do Estado não pode constituir empecilho para que as pessoas livremente optem por não solucionar seus problemas no Judiciário, mas, sim, com o auxílio de outra pessoa ou de uma instituição particular, da mesma forma que poderiam simplesmente resolver entre si a questão, sem a interferência de terceiros.

Importante destacar que o fato de possuir aspectos positivos e negativos (que também existem no Judiciário) deve ser levado em consideração para optar - ou não - pela arbitragem como método de resolução de conflitos.

Oscar Valente Cardoso
Juiz federal substituto na 4ª Região. Mestre em Direito e Relações Internacionais pela UFSC. Especialista em Direito Público, Direito Constitucional e Comércio Internacional.

 

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2
 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 105 - 2015
Atrás das grades

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 105 - 2015
Alta performance na Advocacia

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 105 - 2015
Money!


Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 61 - 2011
Separação total de bens


Visão Jurídica :: Jus Ultra :: Edição 51 - 2010
NORMAS DA UNIÃO ESTÁVEL


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 40 - 2009
Prisão civil pelo não-pagamento de pensão alimentícia


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 59 - 2011
Sistema carcerário brasileiro



 
Edições Anteriores
 
tags
 
165 acidente adpf advocacia advogados capa capitais carreira carreira de Direito chave cobranca codigo como criminal empresa foco foro ilegalidade justica lei
 

         
Faça já a sua assinatura!


Visão Jurídica
O Direito de forma ampla e atual.

Assine!Outras ofertas!


Sociologia
Um olhar sobre o mundo que no para.


Assine!
Outras ofertas!

Leituras da Histria

Fatos e personalidades que deixaram suas marcas.

Assine!
Outras ofertas!

Sentidos
Receba 12 edições da revista na sua casa


Assine!
Outras ofertas!
 
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS