editora Escala
Visão Jurídica
 
Buscar  
ok
Indique
Anuncie
         
Canais
 
Newsletter
 

Receba periodicamente nossas novidades e matérias.

 
   
 
ok
 
 
Serviços
 
 
 
Capa

Quando eles assumem o risco de matar


Circunstâncias fáticas e indiferença do agente configuram o homicídio com dolo eventual, tese que serviu ao apenamento do médico Caron com a carga máxima da Justiça brasileira


Texto: Roberto Lopes Fotos: Divulgação

Visão Jurídica - O desembargador Smaniotto observa que casos de crimes com dolo eventual normalmente envolvem réus primários, de bons antecedentes e sem histórico de litígio com suas vítimas. Isso tudo não representa uma espécie de salvaguarda para o agente, no momento de seu julgamento?
Giselle Dorneles - Não. De casos julgados recentemente pelo Supremo Tribunal Federal e pelo Superior Tribunal de Justiça, o que emana como imprescindível é que se extraia o dolo eventual das circunstâncias do evento, e não da mente do autor, já que não se exige uma declaração expressa do agente, para que se possa delinear com segurança o dolo eventual.

VJ - Então, nos casos que definimos, grosso modo, como de erro médico, o importante são as circunstâncias...
GD - Eu diria que especialmente diante dos fatos é que o julgador definirá se o agente agiu com dolo eventual ou com culpa. Para tanto, será necessário analisar o histórico e os antecedentes do agente em seus procedimentos médicos, pois se já existe incidência de fatos pretéritos, especialmente se ele já experimentou situação semelhante, não há como admitir que o agente não assumiu o risco de produzir o resultado lesivo. A repetição da tragédia aponta para o dolo eventual, sem dúvida.

VJ - Há quem enfatize também a indiferença do agente no momento de produzir o dano, como característica importante do dolo eventual...
GD - Certíssimo. No dolo eventual, o agente sabe que o resultado lesivo pode vir a ocorrer, mas age com indiferença, aceitando-o. Em outras palavras, para que incida o dolo eventual é necessário que o agente preveja a possibilidade do evento danoso, mas demonstre ser indiferente à sua possível produção. É o popular "tanto faz". (R.L.)

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7
 

Visão Jurídica :: Capa :: Edição 101 - 2014
Direito Educacional

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 101 - 2014
Contrato de trespasse

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 101 - 2014
Preto no branco?


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 59 - 2011
Sistema carcerário brasileiro


Visão Jurídica :: Jus Ultra :: Edição 51 - 2010
NORMAS DA UNIÃO ESTÁVEL


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 40 - 2009
Prisão civil pelo não-pagamento de pensão alimentícia


Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 61 - 2011
Separação total de bens



 
Edições Anteriores
 
tags
 
capa contrato debate detalhes devido digna direito em foco empresa empresarial familia Investidores juridico legal lei nosso mundo Olhar jurídico questao Sociedade Visão do cliente
 

         
Faça já a sua assinatura!


Visão Jurídica
O Direito de forma ampla e atual.

Assine!Outras ofertas!


Gestão & Negócios
Para vencer na vida pessoal e profissional.


Assine!
Outras ofertas!

Leituras da Histria

Fatos e personalidades que deixaram suas marcas.

Assine!
Outras ofertas!

Raça Brasil
Diversidade é o Brasil de verdade.


Assine!
Outras ofertas!
 
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS