editora Escala
Visão Jurídica
 
Buscar  
ok
Indique
Anuncie
         
Canais
 
Newsletter
 

Receba periodicamente nossas novidades e matérias.

 
   
 
ok
 
 
Serviços
 
 
 
Reportagens
Direito Processual Cívil

Penhora de bem de família luxuoso


Reforma do CPC reacende discussão sobre impenhorabilidade e valor do imóvel


Texto: Marcos Andrade e Diego Garcia

Com a reforma do Código de Processo Civil em voga tem-se despertado para um tema delicado, objeto de legislações pretéritas e discussões jurídicas e políticas: os limites financeiros da impenhorabilidade do bem de família.

A primeira lei no mundo que disciplinou a matéria foi a norma texana datada de 26 de janeiro de 1839, chamada Homestead Exemption Act, que limitava a impenhorabilidade da pequena propriedade rural de 50 hectares ou de terreno urbano não superior a US$ 500.00. E tal se deu com objetivo de proteger a residência dos pequenos proprietários rurais que, endividados, perdiam suas propriedades para os agentes financeiros, migrando para outros estados daquele país.

Já em terras tupiniquins o conceito de bem de família foi introduzido no ordenamento jurídico pelo Código Civil de 1916, disciplinado também no Decreto-Lei 3.200/41, que estabelecia o limite de tal garantia para imóveis de valores iguais ou inferiores a 100 (cem) contos de réis ("art. 19. Não será instituído em bem de família imóvel de valor superior a cem contos de réis").

Importante destacar que a matéria regulada pelo Código Civil de 1916 foi a do "bem de família voluntário" (artigos 70 a 73). Tal benefício era concedido àquelas pessoas isentas de dívidas que declarassem perante o Cartório de Rregistro de Iimóveis a destinação exclusiva de seu imóvel para seu domicílio e de sua família.

O código Civil de 2002 também recepcionou o "bem de família voluntário" (artigos 1.711 a 1.722), condicionando tal benefício àquelas pessoas que declarassem perante o Cartório de Rregistro de Imóveis que o seu imóvel, não representante de 1/3 do patrimônio líquido existente, seria destinado exclusivamente para o seu domicílio e de sua família.

Por exigir um comportamento ativo do devedor, em ter que buscar tal averbação no álbum imobiliário do seu imóvel, o instituto do bem de família, originalmente consagrado em 1916, era e é pouco utilizado na prática. Em razão disto, o legislador pátrio, visando a resguardar direito social insculpido na Carta Magna (artigo 6º da Constituição Federal) editou a Lei 8.009/1990, dispondo sobre a impenhorabilidade do "bem de família legal", ou seja, o patrimônio mínimo do devedor existente, independente de averbação no registro do imóvel.

E com tal visão e buscando também igualar os direitos sociais (alimentação e moradia), a Justiça do Trabalho vem admitindo a venda de imóveis considerados luxuosos para a quitação de dívidas trabalhistas do proprietário e empregador.

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>
 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 100 - 2014
Atenção redobrada

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 100 - 2014
Rumo certo

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 100 - 2014
Questão de imagem


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 59 - 2011
Sistema carcerário brasileiro


Visão Jurídica :: Jus Ultra :: Edição 51 - 2010
NORMAS DA UNIÃO ESTÁVEL


Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 61 - 2011
Separação total de bens


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 40 - 2009
Prisão civil pelo não-pagamento de pensão alimentícia



 
Edições Anteriores
 
tags
 
capa Constituições brasileiras contrato Convenção custo debate detalhes devido digna dinheiro direito direitos divulgacao empresa empresarial familia juridico legal lei questao
 

         
Faça já a sua assinatura!


Visão Jurídica
O Direito de forma ampla e atual.

Assine!Outras ofertas!


Gestão & Negócios
Para vencer na vida pessoal e profissional.


Assine!
Outras ofertas!

Leituras da Histria

Fatos e personalidades que deixaram suas marcas.

Assine!
Outras ofertas!

Raça Brasil
Diversidade é o Brasil de verdade.


Assine!
Outras ofertas!
 
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS