editora Escala
Visão Jurídica
 
Buscar  
ok
Indique
Anuncie
         
Canais
 
Newsletter
 

Receba periodicamente nossas novidades e matérias.

 
   
 
ok
 
 
Serviços
 
 
 
Entrevista do mês

A importância do latim no Direito


Texto: Fernanda Cubiaco e Julia Garcia

Eduardo Pessôa, hoje magistrado aposentado, é bacharel em Direito, Economia e Adminstração. É mestre em Criminologia, pós-graduado em Direito Constitucional e membro da Sociedade Latino Americana de Direito do Trabalho e Seguridade Social e do Sindicato dos Escritores do Estado do Rio de Janeiro. Publicou trinta obras, das quais 28 são voltadas para o Direito e duas, a outras áreas (Dicionário Econômico e Financeiro e Pensamentos Eternos). Em seu Dicionário Latim Forense, apresenta mais de duas mil expressões latinas com tradução para o português, notas explicativas e noções históricas. O diferencial está no bilinguismo da obra: além de contar com a pesquisa sobre o significado das expressões latinas, o dicionário também traz a seção Português-Latim, permitindo ao leitor procurar pela tradução latina da expressão que conhecer em português. O autor defende que o conhecimento do básico do latim é essencial para melhor compreender o Direito Romano, por sua vez indispensável ao jurista dos dias atuais. O estudo da língua latina não é mais obrigatório no ensino básico, de modo que, no ponto de vista de Eduardo Pessôa, muitos entram e saem da faculdade de Direito sem o conhecimento fundamental do idioma – que, apesar de ter semelhanças com a língua portuguesa, tem uma estrutura muito diferente e, por isso, deve ser estudado à parte.

Como veio a ideia de publicar o Dicionário Latim Forense? Como pensou as etapas deste trabalho? Em quanto tempo concebeu o livro?
Eduardo Pessôa –
A ideia de publicar o dicionário veio a partir do momento que foi abolido o latim do curso secundário. Após a premiação de Brocardos Jurídicos, na Bienal Internacional do Livro de 1999, onde só havia Latim-Português, segui a sugestão do escritor José Saramago para mudar a denominação da obra para Dicionário de Latim Forense e incluir Português-Latim. Foram mais de seis anos.

Quais são as áreas de aplicabilidade deste dicionário? Qual é a importância dele hoje para as áreas de Direito e Acadêmica?
EP –
Não são especificamente só as ligadas ao Direito, mas a Comunicação, a Letras, etc. Para o Direito, é imprescindível, pois como estudar durante cinco anos a cadeira de Direito Civil e Romano sem conhecer latim? Como proceder a leitura da Constituição e ignorar as expressões latinas contidas no artigo quinto de nossa Carta Magna?

A prática letiva o auxilia em algo ao escrever seus livros?
EP –
É fundamental. O ambiente acadêmico, formado por inúmeras indagações, é fonte de inspiração e desafio não para elaboração da primeira obra como para atualização. Após o lançamento de cada obra é preciso constante atualização, como foi o caso de Introdução ao Direito na Comunicação, cujo lançamento da 10ª edição ocorreu em primeiro de janeiro de 2013.

As instituições jurídicas não permanecem imutáveis e invariáveis através dos tempos e dos lugares. Elas sofrem contínuas transformações, em harmonia com as condições de existência e de desenvolvimento da vida social

Qual a sua percepção em relação ao interesse dos alunos pelo estudo de latim e pela história do Direito?
EP –
As instituições jurídicas não permanecem imutáveis e invariáveis através dos tempos e dos lugares. Elas sofrem contínuas transformações, em harmonia com as condições de existência e de desenvolvimento da vida social. Para compreender como se dá a evolução das instituições jurídicas, basta perceber as necessidades e as exigências da vida coletiva e que essas variam constantemente. As sociedades humanas assumem vários tipos de organização e dentro de cada tipo apresentam graus diferentes de desenvolvimento. Ora, do diverso modo como se encontra organizada uma sociedade derivam necessidades e exigências especiais, às quais o Direito se tem de adaptar. Daí as várias formas variadas que as instituições jurídicas vão se revestindo. Porém, para se entender as mudanças, precisa-se estudar as origens e os alunos de hoje, ao menos os meus, têm esse interesse. Interessam-se pelo estudo do latim, pois não tiveram o privilégio de ter conhecimento desta língua no nível secundário e pelo Direito Romano.

 

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>
 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 101 - 2014
Para entender

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 101 - 2014
Contrato de trespasse

 

Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 101 - 2014
Preto no branco?


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 59 - 2011
Sistema carcerário brasileiro


Visão Jurídica :: Jus Ultra :: Edição 51 - 2010
NORMAS DA UNIÃO ESTÁVEL


Visão Jurídica :: Reportagens :: Edição 61 - 2011
Separação total de bens


Visão Jurídica :: Capa :: Edição 40 - 2009
Prisão civil pelo não-pagamento de pensão alimentícia



 
Edições Anteriores
 
tags
 
capa debate débitos detalhes devido digna dinheiro direito direito educacional direitos divulgacao em foco empresa Investidores juridico legal lei nosso mundo Olhar jurídico Visão do cliente
 

         
Faça já a sua assinatura!


Visão Jurídica
O Direito de forma ampla e atual.

Assine!Outras ofertas!


Gestão & Negócios
Para vencer na vida pessoal e profissional.


Assine!
Outras ofertas!

Leituras da Histria

Fatos e personalidades que deixaram suas marcas.

Assine!
Outras ofertas!

Raça Brasil
Diversidade é o Brasil de verdade.


Assine!
Outras ofertas!
 
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS